Loading...

quarta-feira, 29 de junho de 2011

PENSEI QUE FOSSE OUTRA COISA.

Era início das aulas. A primeira vez que vi Maria na escola, bastou para que gravasse aquele
rosto na mente.
Eu gostei muito dela.
E quando soube que ficaríamos na mesma sala tudo ficou ainda melhor.
Sentado no fundo da sala ficava admirando seu belo corpo, seu rosto, tudo nela era lindo.
Lembro-me de quando ela ia à lousa, uma cena maravilhosa.
Não me importava, a disciplina eu só queria ficar olhando aquela bunda linda.
Ela nunca me deu a mínima, nunca fora recíproco o sentimento, mas eu a amava.
Certa vez no intervalo vi uma roda de alunos rindo de uma menina e ao me aproximar me deparei
com ela, a minha amada.
Ela chorava enquanto algumas crianças riam. Outros como eu se preocupavam, mas depois vim
saber o motivo do constrangimento. Ela teve uma menarca.
Aquilo me deixou curioso e fui buscar conhecimento sobre aqueles fenômenos.
Descobri que apesar da altura e de seu desenvolvido corpo, ela estava passando por um processo
chamado pubarca, nome estranho,que não tem nada a ver com o piloto do filme guerra nas estrelas.
No dia seguinte nos encontramos na escola, ela ainda constrangida pelo fato ocorrido.
Como estava sozinha me aproximei e perguntei se podíamos ir juntos embora, ela me olhou e disse
não saber pois não me conhecia.
Então lhe disse:_Estudamos na mesma classe, eu me sento no fundo da sala. Você nunca olha pra trás.
Eu sou o cara que lhe trouxe papel para enxugar as lágrimas de seu rosto quando todos riam de você quando ao ter sua menarca.
-Menarca... como você sabe dessas coisas?
-Eu me preocupei quando a vi chorando, achei estranho todo aquele sangue então perguntei a professora que me tranqüilizou dizendo ser normal, coisa que acontece a toda menina, não quis entrar em detalhes então fui pesquisar.
-Quero lhe agradecer pela preocupação que teve por mim, não sei o que posso fazer.
Como é mesmo seu nome? disse ela.
-Pode me chamar de Love.
-Ok. O que posso fazer para agradecer Love?
-Pode sair comigo e depois me dar sua boceta?
-O quê?
-Isso mesmo. Minha irmã aniversária semana que vem e não tenho nada para lhe dar,
você saindo comigo depois me dando sua boceta seria um presente pra mim e minha irmã.
 Eu vi sua boceta outro dia quando estava sentada de saia azul, gostei dela, minha irmã também gostará.
-Calma, eu nem sei se vou dar a boceta pra você, muito menos pra sua irmã.
Passados alguns minutos
-Eu preciso lavá-la porque está um pouco suja depois lhe aviso para que possa vir buscar.
-Passado uma semana... na escola.
-Pensei bem e decidi dar minha boceta à sua irmã. Você já falou com ela?
-Não ela nem sabe, será surpresa
-Então como faremos, darei ela a você?
-Sim. Saiba que será um presente especial pra mim
- Calma aí você disse que era pra sua irmã
-Eu sei, mas sempre quis ter uma boceta. Minha irmã tem a dela, mas é muito pequena eu gosto da sua.
- Hei, já não estou entendendo nada.
-Vou usá-la no sábado. Haverá uma festa e a levarei para por moedas.
-Mas eu pensei que você queria outra coisa.
-Que coisa?



nem tudo é aquilo que parece.
boceta- bolsa pequena para por moedas(porta moedas)



segunda-feira, 13 de junho de 2011

SARAU LITERATURA NOSSA

Nesta sexta-feira dia 17, no Ponto de Cultura Círculo das Letras, haverá mais um evento cultural por muitos esperado. É o Sarau LiteraturaNossa, e é tudo nosso mesmo.
Os músicos, os poetas, os breakers, os textos, os protagonistas da História somos nós.
Venha e faça parte, traga a família.
Chegou nossa vez.
                                
R: Bandeirantes 606 Jd Revista Suzano SP
Início 19:30 as 22:00hs

PAVIO DA CULTURA junho de 2011

Salve Rapa.
Aê, o pavio da cultura deste sábado foi muito maneiro.
Tivemos lá a presença de muitos adolescentes que colaram acompanhados de seus professores diretamente de Campinas.
Então não podíamos deixar a desejar né.
A festa foi muito boa. Literatura no Brasil representando como sempre, mas as apresentações surpreenderam. A poesia Sedução do Sacolinha, teve a base do Cákis na viola e a percussão do mano Cosme.
Poesia musicada saca. Bongô e viola na parada.
Paz e amor mantem a vibe positividade no ambiente.
Paz pra Nós, Paz pra toda nossa gente.

quinta-feira, 9 de junho de 2011

O SEGREDO

Trovões e relâmpagos explodem no céu.
Para-ráios em edifícios mostram sua função.
Em poucos minutos a rua fica alagada.

Pessoas correm molhadas e dão pulos de atletas em direção a calçada,
enquanto outras simplesmente dobram as calças e enfiam o pé na água.
Observando tudo isso, sentado em frente a um edifício,
busco inspiração para minha escrita.
Poderá ser um conto ou uma poesia.
Olho para um lado e vejo água invadindo a calçada.
Olho para outro e vejo um lindo rosto que muito me agrada.
Do nada lhe dirijo a palavra e Literatura no Brasil
por mim já é logo divulgada.
No passado poderia dizer, que sorte a minha!
Pois a garota além de linda, gosta de rima e escreve poesia.
Eu a convidei para um sarau e associar-se a Literatura no Brasil,
disse que precisava dela e de sua sensibilidade.
Coincidimos, pois ela lia o Segredo e como eu buscava positividade.
Observação e sensibilidade é um dom, que tem de ser lapidado.
Eu procurava inspiração, agora tenho a chuva e a garota do meu lado.
O telefone tocou.
- Como é bom saber que alguém se preocupa com a gente.
-Então me passa seu fone, pra que não se sinta sozinha, eu te ligarei às vezes.
 Mas saiba que você ganhou da chuva,
é a protagonista dessa poesia.
 Enquanto escrevo, pela janela do quarto ouço o barulho da água que lá fora
 continua caindo.





Palco da Literatura Periférica- Virada Cultural 2011

                                                         
Associação Cultural Literatura no Brasil



SOMOS NÓS

sábado, 4 de junho de 2011

Esta  semana foi maneiro lá no ponto de cultura. Tivemos a feira de troca de livros no sábado, Comunidade do Conto na quarta- feira com tema livre e sábado dia 4 de junho, estivemos na Penha. Na Festa do Rosário representando a Cultura de Suzano.
Postarei os registros em breve